The M+G+R Foundation

Deus Não Castiga

Nós escolhemos livremente os nossos infortúnios

Publicado originalmente em 20 de Agosto de 2013

Nota: A tradução deste documento foi efectuada por um tradutor automático


PROPÓSITO

O objectivo deste documento é ilustrar que todas as ameaças e infortúnios divinos de que lemos no Antigo Testamento são apenas uma forma de expressar o que a maioria dos humanos ainda não consegue compreender.

A maioria dos humanos compreende que alguém os castigará, mas não compreende ou não quer compreender que qualquer infortúnio que lhes suceda poderia ter sido evitado através da alteração do seu comportamento.

Por outras palavras: a maioria dos humanos não quer ouvir que qualquer tragédia que lhes tenha ocorrido, eles "mereciam" ou que era a melhor escolha para eles de acordo com a Sabedoria Infinita de Deus - e nesse caso não foi uma tragédia, foi uma Bênção não reconhecida.


INTRODUÇÃO

Por exemplo, vejamos uma leitura típica do Livro dos Juízes:

Então, fizeram os filhos de Israel o que parecia mal aos olhos do Senhor; e serviram aos baalins. E deixaram o Senhor, Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses das gentes que havia ao redor deles, e encurvaram-se a eles, e provocaram o Senhor à ira. Porquanto deixaram ao Senhor e serviram a Baal e a Astarote. Pelo que a ira do Senhor se acendeu contra Israel, e os deu na mão dos roubadores, e os roubaram; e os entregou na mão dos seus inimigos ao redor; e não puderam mais estar em pé diante dos seus inimigos. Por onde quer que saíam, a mão do Senhor era contra eles para mal, como o Senhor tinha dito e como o Senhor lho tinha jurado; e estavam em grande aperto.

E levantou o Senhor juízes, que os livraram da mão dos que os roubaram. Porém tampouco ouviram aos juízes; antes, se prostituíram após outros deuses e encurvaram-se a eles; depressa se desviaram do caminho por onde andaram seus pais ouvindo os mandamentos do Senhor; mas eles não fizeram assim. E, quando o Senhor lhes levantava juízes, o Senhor era com o juiz e os livrava da mão dos seus inimigos, todos os dias daquele juiz; porquanto o Senhor se arrependia pelo seu gemido, por causa dos que os apertavam e oprimiam. Porém sucedia que, falecendo o juiz, tornavam e se corrompiam mais do que seus pais, andando após outros deuses, servindo-os e encurvando-se a eles; nada deixavam das suas obras, nem do seu duro caminho.
Pelo que a ira do Senhor se acendeu contra Israel; e disse: Porquanto este povo traspassou o meu concerto que tinha ordenado a seus pais e não deu ouvidos à minha voz. [Juízes 2:11-20]

Este típico "Deus irado" é visto em todo o Antigo Testamento - mas que esse Deus não existe como tal. A sequência "acção-reacção" é escrita dessa forma porque era a única forma que os humanos de então (e muitos ainda hoje) podiam compreender e agir; agir através do medo.


DETALHES

Vamos olhar para o mundo actual - globalmente e, em muitos casos, debaixo do nosso próprio tecto - miséria sobre miséria onde quer que olhemos. O sofrimento, a crise humanitária sempre presente, o terrorismo, as guerras civis, as catástrofes naturais, etc., etc., etc.

Lembra-se do terramoto devastador que praticamente destruiu o pouco que os haitianos tinham? E o tsunami que varreu o sudeste asiático? (1) O Médio Oriente que está a sangrar por todo o lado; África que não parou de sangrar desde que foi "libertada" dos seus colonizadores; etc., etc., etc.

Será isso o resultado de um Deus "cheio de ira" que os castiga?

Deixem-nos - mais uma vez - deixar perfeitamente claro: Deus NÃO castiga! O Amor não pode castigar - ponto final!

Não podemos dizer que a "gravidade castigou" alguém que, depois de cair do telhado de um edifício de 12 andares, morreu. Aquele alguém desafiou a Lei da Gravidade e a consequência foi a morte.

Se tivermos em conta a Lei da Gravidade e funcionarem de acordo com ela, as hipóteses de ocorrência de um infortúnio serão muito remotas. O mesmo é válido para a Lei Divina. Temos a opção de funcionar de acordo com ela ou simplesmente desafiá-la e assumir as consequências de o fazer.

O que acontece é que quando o homem desafia a Lei Divina - ou seja, se afasta de Deus - o homem expõe-se às forças do mal na proporção em que se afasta de Deus.

Vejam esta imagem:

Círculos que representam o espaço espiritual

Existe um centro amplo e totalmente iluminado. Aqueles que se movem/vivem nesse espaço amplo e brilhantemente iluminado estão sob a orientação e protecção Divinas - estão a funcionar dentro da zona segura prometida àqueles que vivem sob a Lei Divina. À medida que nos afastamos desse centro, podemos ver que a escuridão começa a invadir o "espaço vital" denotado pelas bandas escuras que se afastam do centro.

À medida que o "espaço vital" escurece, os seus "residentes" tornam-se mais susceptíveis às forças da escuridão - assim, ficam expostos a mais perigo físico e espiritual. Ou seja, à medida que nos afastamos da zona de segurança muito ampla do centro, o perigo aumenta.

Então, um ateu pode perguntar: "Que tipo de de deus é vosso que permite tanto sofrimento e tanta morte? Ao qual responderíamos:

(a) A dor é o megafone que Deus usa para fazer ouvir os "surdos" (2). Acreditem ou não, é uma manifestação da Misericórdia Divina. (3)
y
(b) Aqueles cujos nomes estão no Livro da Vida [Fil. 4:3; Apoc. 13:8] - aqueles que fazem parte dos Escolhidos (4) - poderiam cair em tentações que os afastariam da salvação - o que é uma impossibilidade, pelo que devem ser impedidos pela acção do Megafone Divino (2).


CONCLUSÃO

Mais uma vez, lembramos a todos que miguel de Portugal não faz as leis nem tem o poder de as alterar. Tudo o que ele pode fazer, em nome de Deus, é explicar como eles funcionam.

A escolha é nossa - ou nos esforçamos por funcionar dentro dos limites seguros da Lei Divina (sem fanatismo) ou podemos esperar mais miséria do que se pode imaginar - especialmente se nos contarmos entre os Escolhidos.

A nossa amada Teresa de Jesus (de Ávila) explicou um conceito semelhante - com muito mais palavras - no Castelo Interior (ou As Moradas) há séculos atrás. Independentemente disso, Deus revelou este conceito à miguel de Portugal da forma mais simplificada e fácil de comunicar, utilizando a imagem do círculo concêntrico.



NOTAS                
(1) Uma explicação teológica do tsunami de 2005 no Sudeste Asiático
(2) A dor é o megafone que Deus usa para ajudar os surdos a ouvi-lo
(3) Misericórdia em acção - ilustrada através da praga de 1918 e das bombas atómicas sobre o Japão em 1945
(4) Quem são os eleitos - como é que Deus determina quem são os Seus eleitos? (em Espanhol)



En Español:  Dios No Castiga - Nosotros elegimos libremente nuestras desgracias

In English:  God Does Not Punish  - We Freely Choose That Disgraces Fall Upon Us

Publicado em 20 de Agosto de 2013 • Traduzido para Porguguês em 7 de Junho de 2021 utilizando a versão gratuita do
DeepL.com/Translator


O Selo de São Miguel Arcanjo © Copyright 2013 - 2024 pela The M+G+R Foundation. Todos os direitos reservados. No entanto, este documento pode ser livremente reproduzido e distribuído desde que: (1) seja dado o devido crédito quanto à sua fonte; (2) não sejam feitas alterações ao texto sem consentimento prévio por escrito; e (3) não seja cobrada qualquer quantia.


The M+G+R Foundation
Na Internet desde 1998
Introdução para Primeira Visita Preguntas frequentes
Página Principal Portugues Página de Procura
Termos de Utilização Sobre Nós Contacto
Sitio de Emergência (Cópia Espelhada)
English Español